Um sonho possível (THE BLIND SIDE)

Já contei a vocês que histórias reais é meu gênero de filme favorito, porque na maioria das vezes apresenta uma história de superação, um exemplo de vida a ser seguido.

Quinton Aaron, Sandra Bullock, Kathy Bates, Lily Collins, Tim McGraw, Rhoda Griffis, Ray McKinnon

Quinton Aaron, Sandra Bullock, Kathy Bates, Lily Collins, Tim McGraw, Rhoda Griffis, Ray McKinnon

 

The Bind Side (O lado Cego) recebeu o nome de O SONHO POSSÍVEL aqui no Brasil. Mas nada diminui a beleza dessa fantástica história real que deu a SANDRA BULLOCK seu primeiro OSCAR.

O filme conta a história de BIG MICHAEL um adolescente, com mais ou menos 17 anos, que embora estude numa escola católica particular, sobrevive sozinho, vivendo nas ruas e dormindo numa lavanderia, quando é encontrado pela decoradora Leigh Anne Tuohy (Sandra Bullock), que conhece o garoto pois esse estuda na mesma escola que seus filhos. Ao perceber que ele está morrendo de frio, já que é inverno e ele usa apenas uma bermuda e camisa, decide levá-lo para a sua casa. E esse gesto de bondade só aumenta – o garoto fica para a AÇÃO DE GRAÇAS, depois fica dormindo no sofá, ganha um quarto e finalmente é adotado. E ele começa a fazer parte da família, mesmo sendo bem diferente deles, tornando essa experiência numa linda jornada de auto-descoberta.

Mas a história já seria bonita por isso, não é? Mas não para por ai. Antes de conhecer Leigh e sua família, MICHAEL ganha uma “bolsa de estudos” nessa escola particular para um dia, se por acaso melhorar suas notas, quem sabe, jogar futebol americano pelo colégio. Uma professora, percebe que MICHAEL, embora atrasado, consegue acompanhar a turma e fazer os testes se no lugar do estilo tradicional de teste, ele for sabatinado oralmente. Com a ajuda do seu irmão caçula SJ, ele aprende a jogar futebol americano e se torna um grande astro do futebol americano.

Continuar lendo

Simplesmente Complicado

SIMPLESMENTE COMPLICADO: O filme de Nancy Meyer que também assina “Alguém tem que ceder” e Nesse filme Jane (Meryl Streep) é uma cozinheira/empresária, divorciada, mãe de três filhos que após dez anos da separação mantem uma relação amigável com seu ex. marido, o cafajeste e advogado, Jake (Alec Baldwin). Jake hoje casado com a amante que quer engravidar. Após uma viagem para a formatura do filho do meio do casal, num momento de fraqueza, dela, eles acabam dormindo junto e toda a confusão começa. Jane estaria fazendo isso por vingança, carência, solidão ou simplesmente por que é bom? No entanto, a vida ainda complica um pouco mais quando Jane se apaixona por seu arquiteto divorciado Adam, interpretado por Steven Martin. E agora, Jane deveria seguir em frente e relacionar-se com o doce arquiteto ou deveria continuar tendo uma relação com o ex. marido?

Se você não criar grandes expectativas, como Natalício, você dará boas risadas com esse filme. O qual apresenta uma visão da nova geração pós-divórcio e seus relacionamentos com família e amigos. Jane é uma mulher adorável com seus 50 anos com todos os seus dilemas e problemas, realizada em quase todos os campos, menos o afetivo e numa carência acaba relacionando-se com se ex. marido. Mas a personagem não consegue entender o que há consigo por voltar a ter um caso com alguém que lhe fez sofrer no passado. Seria essa sua chance de libertar-se?

Meryl Streep continua linda, não imagino uma mulher na sua idade com suas rugas e ser tão perfeita. Linda!

Turma da Mônica Jovem em 3D

Na revista da “Turma da Mônica Jovem”, edição 18, o Maurício informou que já começou testes para fazer o filme TURMA DA MÔNICA JOVEM. Isso mostra como a revista deu um salto e conseguiu seu espaço na editora Maurício de Sousa.
A princípio será um animação, o roteiro e os personagens (claro: Mônica, Magali, Cascão e Celoba), só que fica faltando quem será o elenco de apoio.
Sobre a turma da Mônica Jovem eu simplesmente gamei, não perco nenhuma revistinha e fico chateada por não ter tomado a iniciativa de começar antes.
E vocês o que acham da série? Qual personagem você gostaria de vê.
Eu queria muito vê o Titi e a Aninha (fui atendida) em grande estilo. Agora quero vê o Franjinha namorando a Marina.

Julie&Julia

Filme do Final de Semana: Julie&Julia

Vocês ainda pouco me conhecem, mas sou fã de filmes baseados em fatos reais. E principalmente, cheios de superação e inspiração – como é o caso desse filme. Você já imaginou: Tudo aquilo são pessoas que viveram tudo isso, que passaram por essas sensações e superaram. Dá para imaginar?

Julie Powell, quase trinta anos, é uma ex redatora que hoje trabalha para o governo, depois de estampar uma revista com o tema “Geração Perdida” e perceber que todas as suas amigas fazem mais sucesso que ela. Decide criar um blog onde durante 365 dias testará 524 receitas da famosa culinarista Julie Child.

Julia Child nasceu 1912, morando em Paris, decidiu entrar para a escola de culinária Le Cordon Bleu e logo já superava todos os homens de sua turma, sempre mostrando alegria e excitação pelo que fazia. Ao longo de quase oito anos trabalhou em um livro de culinária francesa para americanas, enfrentando todo tipo de adversidade e frustração para isso.

 

 O filme é divido em dois universos distintos e nesse outro paralelo encontramos Julie Child, nascida em 1912, casada com Paul Child, um funcionário da embaixada.  Longe da família, na França, Julie decide fazer aulas de culinária no Le Cordon Bleu, lá cheia de talento, competitiva, decidida, fazendo tudo com alegria, começou a superar todos os homens. Seu desafio, publicar um livro de receitas francesas para americanos.

 

Com a apresentação desses dois universos o diretor nos mostra o sabor e desabor de duas mulheres diferentes e ao mesmo tempo muito parecidas. O livro é uma viagem saborosa no mundo da culinária e na biografia das duas personagens – o mestre e o discípulo.  

Confesso, não li o livro e até alugar o DVD achava que a atriz que fazia a Julia era a Mandy Moore (kkk). E mesmo assim acho que a mensagem foi passada o modo como a Julie encara a vida cheia de bom humor e simplicidade inspira não só a Julia, mas a todos nós.

A parte da Julia é baseado no romance da própria personagem “My Life in France”, onde há cartas que a própria Julie escreve para amigos e parentes.E o blog da Julie ainda encontra-se ativo: Blog da Julie Powell

Personagens reais: (Julie e Julia, respectivamente)

 

Continuar lendo