Sex and the City (a série)

Enquanto não vou assistir ao filme (vou sábado com Cibelly), falo sobre a série

Uma série que fala sobre amizade, amor e moda (não nessa ordem) para as mulheres, transformou-se num sucesso mundial levando Sarah Jessica Parker ao statu de diva da moda, a “rainha Midas” da moda.

As garotas são de Manhatan, mas poderiam morar em Tambaú, Cabo Branco, Copacabana, Boa Vista…Qualquer canto do mundo, porque o assunto que elas abordam não precisa de nacionalidade, é universal, as quatro amigas – Samantha, Miranda, Charlote e Carrie – em algum momento de sua vida, você tem a certeza de que ela está falando para você.

Se você acompanha a série, você tem aquele episódio que diz: “Esse episódio foi feito pensando em mim!”.

Me lembro perfeitamente do episódio 2×01 quando Carrie termina, pela primeira vez, com Mr. Big e ela começa a evitar horas, lugares, pessoas e tudo mais para não vê-lo. E você, com certeza, já passou por isso. Andou por todos os lugares e achando que a qualquer momento poderia encontrar com seu ex. E quando menos espera, ou pior esteja, lá está ele (esse foi o caso de Miranda). Charlote apresenta uma teoria sobre que leva-se metade do tempo que passaram juntos para esquecer. Agora, você dá uma risada e diz “Já aconteceu comigo!”, imagina só, esse é o segredo da série. 

Depois desse, o que mais me marcou foi quando Berg (o escritor) terminou com a Carrie por um post-it, e ele é um cara bem legal, até achei que seria feito para ela. Quando ele apresenta a teoria das cartas (depois conto),  eu fiquei pensando que independe de beleza, química ou o que for, algumas coisas não acontecem, as pessoas não estão prontas. Também passei por isso.

Outro caso curioso, ainda com o Berg, é quando ela vai conhecer o apartamento dele e ele fala da ex. namorada. E a Carrie se pergunta sobre bagagem emocional.

Outro episódio legal é quando Miranda, tem um cara que a qualquer momento pode ficar com ele (estilo cachorrinho) e ela não dá a mínima para ele, mas quando o vê feliz com outra mulher ela sente aquela coisa de “poderia ser comigo” e vai atrás dele, quando o re-conquista, ela vê que não e volta a magoá-lo.

Tem o caso do ex. que Samantha achava inesquecível e ela chega a trair o atual namorado com ele e depois nota que não valeu a pena.

Outra coisa é que Charlote sofreu com a sogra manipuladora e mandona. E quem sofreu com sogra levante a mão? [grilos!], pois é.

Depois disso, acho que na terceira ou na quarta temporada Carrie conhece Aidan (ele está nesse segundo filme) e ele cara o perfeito, mas não estão no mesmo momento, enquanto ele pensa em casar e ter filhos ela só quer curtir. 

Como disse, poderia ficar horas falando da série, acho que vou prometer um TOP 20 episódios de SEX AND THE CITY.

E a série sempre tem conselho, uma filosofia de vida aplicada ao público feminino. A Carrie conta a história presa em seus texto e você se torna a quinta amiga, é isso. Dá vontade de sair e procurar três grandes amigas para ter uma amizade como a delas sem competição, sem armas e só com amor.

Você pode ser romantica, conservadora, tradicionalista, narradora,  fashionista, desorganizada, gastadeira, durona, forte, delicada, apaixonante, liberal,  bela, sedutora, louca por trabalho… Ou sair pulande de fase em fase e encontrar-se numa das quatro amigas. E o melhor de tudo é isso, que nada está fora de sua universo, amor, sexo, homens, moda e amizade, nunca são as tendências da sua vida.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s